Espalhe por ai:

Boato – Ministro da Economia, Paulo Guedes, virou réu em processo do TCU por fraude bilionária em previdência privada.

Em fevereiro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro encaminhou à Câmara uma nova proposta de reforma da Previdência Social. E, desde então, as discussões sobre o assunto seguem causando polêmica nas redes sociais e alterando o ânimo de muitos brasileiros.

No Congresso, o sistema de capitalização (que funciona como uma espécie de poupança individual de cada trabalhador) foi defendido pelo ministro da Economia Paulo Guedes.

Mas segundo publicações nas redes sociais, os brasileiros deveriam ficar atentos na reforma defendida por Guedes. De acordo com as mensagens, o ministro da Economia teria virado réu em um processo do TCU por fraudes bilionárias em fundos de previdência privada. Confira:

Versão 1: “Piada pronta! O ministro do Bozo miliciano Paulo Guedes dono de banco no Chile é Réu em processo por fraude em fundo de pensão e quer por a mão nos recursos da previdência pública dos brasileiros”.Versão 2: “Este é o mesmo ministro OFICIAL: Paulo Guedes é réu em processo aberto pelo TCU por fraude bilionária em previdência privada”.Versão 3: “URGENTE: Paulo Guedes é oficialmente RÉU”. Versão 4: “PAULO GUEDES VIRA RÉU EM INVESTIGAÇÃO SOBRE FRAUDES BILIONÁRIAS EM FUNDOS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA e ainda quer “reformar” a previdência social”.

Paulo Guedes virou réu em processo do TCU por fraudes bilionárias?

A informação causou muito burburinho nas redes sociais e diversos internautas demonstraram insatisfação. Mas será que essa história de Paulo Guedes, processo no TCU e fraudes bilionárias na previdência privada é real? A resposta é não!

Vamos aos fatos! Para começo de história, as publicações apresentam as principais características de boatos online: vagas, alarmistas, possuem erros de português e não citam fontes confiáveis (ou, quando citam, a fonte não condiz com o que é anunciado).

Ao procurar por mais informações sobre o assunto, em outras fontes, não encontramos nada. Foi aí que descobrimos a verdade. Na realidade, o boato surgiu a partir de uma outra informação.

No dia 3 de abril de 2019, a Folha de S. Paulo publicou uma matéria onde noticiava que o TCU, após receber uma representação do Ministério Público Federal (que investiga dois outros procedimentos relacionados ao caso), estava investigando o ministro Paulo Guedes por supostas ilegalidades em negócios com fundos de pensão.

A partir disso, alguns sites utilizaram a matéria e modificaram o título. De investigado, Paulo Guedes passou a ser tratado como réu. Acontece que existe uma enorme diferença entre uma coisa e outra.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), os termos não significam a mesma coisa. A condição de investigado precede a de indiciado. Nessa situação, o órgão responsável pela investigação vai analisar documentos, conversas, laudos etc para estudar se há algum indício de ilegalidade. Caso haja, o delegado de polícia formaliza a denúncia e a pessoa passa a condição de indiciado.

Já a condição de réu é bem diferente. Após ser indiciada, o inquérito é concluído e encaminhado para o Ministério Público, que vai julgar se existem ou não provas contra o indiciado. Caso o MP conclua que existem provas, a pessoa passa para a condição de réu e vai responder o processo, podendo ser acusado ou absolvido pelo crime.

Em resumo: a história que diz que Paulo Guedes virou réu em processo do TCU por fraudes bilionárias na previdência privada é falsa! O ministro Paulo Guedes, de fato, está sendo investigado pelo TCU. Porém, está longe de ser réu. As condições de investigado e réu são coisas diferentes e Paulo Guedes ainda não foi denunciado ou acusado por essas ações. Ou seja, a história é pura balela.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo siteFacebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.Compartilhe este artigo:

Espalhe por ai:

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja também

Petrobras cancela patrocínio da Fórmula 1 na Globo por ordem de Bolsonaro #boato

Espalhe por ai: Boato – O presidente Jair