Espalhe por ai:

Valorização da beleza negra!

 “O cabelo dela é black power. Quem sabe cuidar dele sou eu”!    Avisou a mãe em bilhete.

C ada vez mais, a beleza negra vem conquistando seu lugar de respeito e de beleza.

Desde cedo, a criança precisa aprender a valorizar e apreciar suas características naturais e os pais têm papel fundamental nisso para que essa criança se torne um adulto com uma boa autoestima.

Além de estimular a criança a ver seus traços naturais como belos, é fundamental ensiná-la a respeitar a valorizar as diferenças de cor de pele, de tipo de cabelo, mostrando que todos possuem sua beleza nas diferenças.

E essa postura dos pais vai além. Muitas vezes, esses pais precisam quebrar barreiras com os outros adultos que, acostumados a uma padronização social, agem muitas vezes sem perceber.

É o caso de Bia Morais, que precisou ser direta com as professoras da escola de sua filha. Há cerca de um mês, a filha Valentina, que tem o cabelo black power, foi para escola e voltou com ele preso. Ao perguntar para a filha o motivo, ela respondeu que a professora havia emprestado uma “xuxinha” da amiguinha e havia prendido seu cabelo.

Pela segunda vez, a filha voltou da escola com o cabelo preso. Então, a mãe escreveu um bilhete sendo bem direta, pedindo que não prendessem o cabelo da Valentina, porque ele era black power e que quando ela quisesse o cabelo preso, ela mesma arrumaria e de forma correta, porque quando o cabelo dela é preso sem estar úmido, ele acaba formando nós. “Pode parecer que está bagunçado, mas quanto mais armado melhor”, finalizou a mãe no bilhete.

 

Espalhe por ai:

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja também

Lei torna o casamento monogâmico em regra geral no Guiné

Espalhe por ai: O parlamento de Guiné alterou