Espalhe por ai:

Essa é a segunda baleia que encalha na área de Salvador desde a última sexta-feira (22). Na manhã de sexta uma baleia jubarte, ainda viva, encalhou terminal do ferry-boat de São Joaquim. A baleia ficou em local que não fazia contato com as embarcações em trânsito. Cerca de duas horas depois do encalhe ela conseguiu sair do ferry.

A bióloga marinha Luciana Leite afirma que com o aumento da população de baleias, eventos de encalhe serão cada vez mais comuns e que é pequena a possibilidade de sobrevivência.

“O resgate é muito difícil porque são toneladas que precisam ser deslocadas e não temos material necessário para auxiliar. Muitas vezes dependemos de barcos de pescadores que voluntariamente ajudam no resgate, rebocando o animal. Mesmo nos casos em que o resgate é impossível, há uma preocupação em manter o bem estar animal e diminuir o nível de estresse até que o ele venha a óbito naturalmente”, explica.

As jubartes permanecem nas águas do hemisfério sul de junho/julho até novembro/dezembro, quando retornam para o hemisfério norte. Em 2018, noveencalhes já foram registrados no Brasil, segundo o Instituto Baleia Jubarte – em 2017 foram registrados 128.

“São muitas as variáveis envolvidas no encalhe de mamíferos marinhos. A espécie, o local e o tipo de encalhe determinam quais medidas podem ser tomadas. Alguns protocolos são necessários para garantir o bem-estar animal e a segurança da população, que tende a se aglomerar curiosa, ao redor dos animais”, afirma Luciana Leite.

De acordo com a pesquisadora, pequenos cetáceos, como golfinhos e baleias dentadas, são mais facilmente resgatados e podem ser retornados ao mar com o auxílio de flutuadores. Para o resgate de grandes cetáceos, como as baleias jubarte, as opções são limitadas.

“A taxa de sucesso no resgate de grandes cetáceos é pequena, mas em alguns casos as jubartes podem ser rebocadas e retornadas ao mar com auxílios de embarcações. O ideal seria o treinamento de voluntários que pudessem responder a encalhes em diferentes pontos da costa, como é feito nos Estados Unidos, na Irlanda, e em outros países ao redor do mundo”.

Migração
A temporada de migração das jubartes ao litoral brasileiro começou. Elas viajam até 8.000 quilômetros para o hemisfério sul a fim de se reproduzir. O período gestacional é de 11 a 12 meses. Os animais retornam após este período para ter os filhotes e amamentar.

“A princípio as baleias não se alimentam na área de reprodução, que é a nossa região. Elas se alimentam na Antártica (pólo sul), que é a área de alimentação delas, e quando vêm passam de 4 a 6 meses sem se alimentar”, explica Enrico Marcovaldi, do Instituto Jubarte.

Fêmeas com filhotes são os últimos a migrar para áreas de alimentação, porque os filhotes precisam aumentar sua camada de gordura, alimentando-se do leite que contém cerca de 40% de gordura, e desenvolver sua musculatura para a extensa migração. Mais de 14 mil baleias jubarte são esperadas no litoral brasileiro.

Meio ambiente
De acordo com Faith Wilson, pesquisadora do Irish Whale and Dolphin Group (Grupo irlandês de Baleias e Golfinhos), tão importante quanto o socorro aos animais que estão exauridos na praia, é a investigação das potenciais causas destes encalhes.

“Encalhes oferecem uma oportunidade de explorarmos questões mais profundas sobre a situação da saúde dos nossos oceanos. A coleta de pele e gordura para quantificação de metais pesados e contaminantes orgânicos persistentes (como PCB), análise de conteúdo estomacal para verificar ingestão de plástico, e a avaliação de ossatura para descobrir eventuais traumas por colisão com embarcações, podem oferecer diretrizes claras para preservação da espécie e para que possamos evitar futuros incidentes”.

Também nessa sexta-feira (22), um tubarão-martelo foi morto na praia de Armação. Pescadores se assustaram.

Correio da Bahia

Espalhe por ai:

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja também

Justiça autoriza ida de Lula ao velório do neto em São Paulo

Espalhe por ai: Arthur Araújo Lula da Silva